Rua Marquês de Olinda, 174 - Ipiranga

(11) 2738-2123 [email protected]

Formas de tratamento no kung fu

kinlai

Na maioria das artes marciais ocidentais, existem termos especiais para se referir a mestres e colegas de treino. Qualquer pessoa que já tenha treinado alguma arte marcial japonesa sabe que o jeito certo de se referir ao professor é chamá-lo de Sensei. Nas artes marciais coreanas, o mestre é chamado de Sabeom. No caso das duas, há nomes diferentes dependendo da graduação. No karate, o 1º e 2º dan são chamados de Sensei, o 3º e 4º são chamados de Koshi, a partir do 5º se chama de Shihan, o líder do estilo se chama de Kancho. O Taekwondo chama o 1º ao 3º dan de Boosabum, 4º ao 6º dan de Sabeom, 7º ao 8º dan de Sahyun e o 9º em diante de Saseong.

O kung fu também usa extensivamente essas formas de tratamento. A palavra mais usada para se referir a um mestre é Sifu (em cantonês) ou Shifu (em mandarim). Só que, no caso das artes marciais chinesas, o significado é a principal diferença entre as demais. Sensei (先生) quer dizer literalmente “nascido primeiro”, e é usado para se referir a mestres em geral, professores, advogados, médicos, políticos e figuras de autoridade – no chinês se usa esses mesmos caracteres para escrever “senhor”. Sabeom (사범) quer dizer literalmente “professor modelo”, é usada apenas para as artes marciais chinesas – essa escrita também tem origem no hanzi chinês, que é師範. Já a palavra Sifu/Shifu, a escrita é 師父/师父, onde 師/师 (Si/Shi) quer dizer professor, e 父 (Fu) quer dizer “pai”; portanto Sifu é um pai professor, um pai que ensina.

Essa é a principal diferença das nomenclaturas chinesas – todas elas são pronomes familiares. Há algumas teorias que explicam esse uso. Provavelmente é uma influência do confucionismo, que coloca a família do indivíduo como a coisa mais importante da vida dele, e pilar da sociedade. Como para um mestre de kung fu a arte marcial era sua vida, faz todo sentido que seus alunos e colegas sejam como uma família.

Outra possibilidade é que, no passado, o kung fu era extremamente importante, sendo o meio de vida e a fonte de poder e prestígio de um mestre. Portanto eles eram extremamente seletivos na hora de passar seu conhecimento adiante, pois um aluno traiçoeiro poderia lhe passar a perna e roubar seu lugar. Por causa disso, muitos estilos foram ensinados apenas entre familiares, nunca abertamente – por isso existem estilos chamados Li Gar Kuen (“Punho da família Li”) ou Mok Gar Kuen (“Punho da Família Mok”), e linhagens chamadas Chen Taiji ou Yang Taiji (Chen e Yang se referem à família do mestre). Assim, somente seria ensinado para pessoas próximas e de confiança, como um filho. Algumas escolas tradicionais adotavam rituais de iniciação, como o ritual do chá (拜師/拜师Baaisi/Baishi), uma cerimônia de discipulado onde o aluno jura lealdade ao mestre. Existem também certos termos usados no kung fu como “aluno de portas fechadas” (入室弟子 Yapsat Daiji/Rushi Dizi) – um aluno que o mestre confia e que ensina de um jeito especial, ao contrário do “público geral” – e “herdeiro” – um aluno que absorveu todos os conhecimentos do mestre e é responsável por carregar a arte adiante.

 

Antigamente, o treino de kung fu também exigia muitos anos de prática. Em alguns estilos o aluno treinaria bases, especialmente a do cavalo, por muito tempo antes de aprender qualquer outra coisa. Alunos de Hung Gar deveria ser capazes de ficar na posição do cavalo até um incenso inteiro queimar – cerca de 30 minutos. Algumas famílias onde os pais eram muito ocupados deixavam seus filhos em academias de kung fu para aprenderem disciplina e arte marcial sob os cuidados do mestre. Tanto tempo assim junto com o mestre gerava uma relação de pai e filho. Em toda escola tradicional se pendura a foto de um mestre na parede, da mesma forma que uma família espalha fotos de parentes pela casa.

As formas de tratamento na arte marcial chinesa não são reservadas apenas para mestres, mas para toda a “família marcial”. É interessante notar que quase todos usam o caractere 師/师 que quer dizer professor, dando a idéia que você pode aprender com todos. Vamos ver abaixo:

Sifu / Shifu (師父/师父): Como já vimos anteriormente, é como se chama um mestre, “pai professor”. Aplica-se apenas ao próprio mestre, o que lhe ensina. Não é um título ou um cargo, portanto não deve apresentar o próprio mestre como “este é o shifu fulano”, muito menos apresentar outro mestre assim ou chamá-lo por este termo. Pode ser usado quando é feita uma referência, como “este é o shifu do fulano”. Também pode o marido da sua mestra.
Sifu / Shifu (師傅/师傅): Literalmente “mestre professor”. Tem a mesma pronúncia que師父, mas pode ser usado para designar para um mestre de qualquer área. Pode ser usado para apresentar um mestre de kung fu, inclusive o próprio mestre. Apesar de estar em desuso, o termo pode ser usado para apresentar um mestre de kung fu, incluindo seu como “este é o shifu fulano”.
Lousi/Laoshi (老師/老师): Literalmente “velho professor”. É usado para chamar professores de qualquer coisa. Também quer dizer “treinador”, “coach”. Geralmente se chama assim professores de Wushu moderno.
Toudai / Tudi (徒弟): 徒 quer dizer “discipulo, seguidor”. 弟 quer dizer “irmão mais novo, júnior”. Portanto significa aluno, aprendiz. É um termo genérico.
Sihing / Shixiong (師兄/师兄): 兄quer dizer “irmão mais velho”. É um colega homem mais antigo.
Sidai / Shidi (師弟/师弟): Colega homem mais novo. “Irmão mais novo”.
Sije / Shijie (師姐/师姐): 姐 quer dizer “irmã mais velha”. É uma colega mulher mais antiga.
Simui / Shimei (師妹/师妹): 妹 quer dizer “irmã mais nova”. É uma colega mulher mais nova.
Simou / Shimu (師母/师母): 母 quer dizer “mãe”. Aqui existe um debate. Muitos usam esse termo para se referir à esposa do mestre, e consideram que uma mestra deve ser chamada de Sifu/Shifu também. Outros já afirmam que deve ser usado para chamar uma mestra.
Sitai / Shitai (師太/师太): 太 quer dizer “demais”, mas太太 quer dizer “senhora”. É a esposa do Sigung/Shigong.
Sigung / Shigong (师公/师公): Mestre do próprio mestre. “Avô”.
Sipo / Shipo (师婆/师婆): 婆 quer dizer “avó”. Esposa do shigong/sigung, ou na outra visão, é a mestra do seu mestre.
Sijou / Shizu (师祖/师祖): 祖 quer dizer “ancestral, avô”. Mestre do próprio mestre ou eventualmente de várias gerações acima.
Sibak / Shibo (師伯/师伯): 伯 quer dizer “tio mais velho”. Colega homem mais velho do seu mestre.
Sisuk / Shishu (師叔/师叔): 叔 quer dizer “tio mais novo”. Colega homem mais novo do seu mestre.
Siguma / Shiguma (師姑媽/师姑妈): Colega mulher mais velha do seu mestre.
Siguje / Shigujie (師姑姐/师姑姐): Colega mulher mais nova do seu mestre.
Sibak neung / Shibo Niang (師伯娘/师伯娘): Esposa do colega homem mais velho do seu mestre.
Sisam / Shishen (師嬸/师婶): Esposa do colega homem mais novo do seu mestre.
Sijat / Shizhi (師侄/师侄): 侄 quer dizer primo. Aluno de um colega do seu mestre.
Sijat / Shizhi (師姪/师姪): 姪 quer dizer prima, tem a mesma pronúncia que侄. Aluna de um colega do seu mestre. Também pode ser usado Sijat neui/Shizhi nui (師侄女/师侄女).
Jousiye / Zushiye (祖師爺/祖师爷): Mestre-fundador, padroeiro.
Jungsi / Jongshi (宗師/宗师): mestre ancestral, mestre de uma tradição.

 


Texto de Murilo Caruy Póvoa, adaptado de texto de Rafael Beltrame.

Notas: neste texto as palavras chinesas foram romanizadas com cantonês Yale e mandarim Pinyin respectivamente, separados por uma barra (/). Os caracteres foram colocados em chinês tradicional e simplificado, respectivamente, separados por uma barra.

Deixe uma resposta